31.10.08

as paisagens solenes



canteiro com flores da retórica
céu de calcário, mesa de mármore
hélice aprisionada numa grade

o sapal das doenças
a floresta das bactérias
mão de radiografia a acenar

talvez seja possível não sofrer
pássaro de pedra, vôo profundo
a estátua derrubada de um mito
um jogo de ossos humanos
um carreiro com ervas e lua
sonhos de morte e decomposição
a taxa de suicídio deste ano
instalações portuárias, balança comercial
os valores acumulados da precipitação
o número de crianças subterrâneas
as vezes que o sol já nasceu

carcassa de noite com costelas
andar de um lado para o outro
talvez seja possível não sofrer
o fogo é um fósforo a arder

2 comentários:

maria disse...

muito bonito.

Dinis Lapa disse...

E a faca não corta o fogo!

Quantas vezes já nasceu o sol? Que faz esta paisagem solene em céus de calcário?

um abraço