2.4.06

adolescência



















tenho trinta e poucos anos. sou ainda um adolescente. sábado à noite depois de jantar com pessoas maravilhosas. e depois o bairro alto, magnífico, com as ruas roupas cheias de sorrisos, as ruas acotoveladas onde tanta nova e bonita. as ruas fremitantes de energia e de adolescências. muito alcóol, evidentemente, e cigarros em fila uns atrás dos outros para serem todos fumados.
e depois já é tarde e as ruas do bairro alto começam a escorrer gente para os lados, os bares estão a afechar. vai-se descendo para o calhariz, para o mítico e imutável "incógnito". cheio a rebentar. é uma casa grávida de multidões. o "d´´artagnan" não deixa entrar mais ninguém. mas lá conseguimos lá entrar. como todos os adolescentes ficámos ávidamente na fila à espera.
aquilo é entrar e tem um ambiente algo próprio. o próprio espaço tem auqele cunhbo de ser "buateque é uma palavra caída em desuso na nossa língua e qe designa locais assim parecidos nos asnos setenta, mas que por ser nos anos setenta, tinham uma aura mística de proibido, de transgressão pop/rock, de libertação, de crime contra os bons costumes. Parece-me que o "incógnito" tem algo disso assim. (ou então sou eu que vejo assim porque não cheguei a ter essa adolescência, tive outras).
e depois descemos para a pista de dança. e encontrei um amigo. e quando vejo a nossa amiga vou para cumprimentá-la e ficámos nos cumprimentando na boca durante quanto tempo?. clámo-nos num beijo fantástico, daqueles beijos que pela sua raridade são tão magníficos e especiais. nem dissemos nada um ao outro. pura e simplesmente nos beijámos com toda a sofreguidão do mundo. lambemos as gengivas, a língua, os lábios, os dentes, um do outro durante muitoooo tempo. enquanto isso távamos no meio da pista. no meio do turbilhão da música, dos fiordes de luz, dos encontrões das pessoas, não descolámos nem por nada, como se fossemos uma ilha num mar agitado. e por estarmos mesmo no meio de tanta gente é que estávamos no fundo tão sozinhos abraçados um ao outro.
só hoje de manhã é que vi os olhos dela. têm uma auréola cinzenta à volta do azul claro. como se fossem um eclipse de qualquer coisa, da íris para aí...
hoje de manhã despedimo-nos. parece-me que felizes. leves. surpreendidos.
e inconsequentes como todos os adolescentes.

18 comentários:

Lia disse...

Que lindo :):):):)
Gostei muito :):):)

eu disse...

whala! outro quadro que me dá gula nos olhos!

eu disse...

apenas não gosto de um certo amedrontamento que a mulher aparenta.

eu disse...

bom texto.

eu disse...

encolhimento é o que a mulher aparenta exactamente.

eu said... disse...

de amedrontamento é q que a gaja nao tem nada

Anónimo disse...

Eu gostei muito, mesmo!
(ah! sim e do texto também...)


beijos

a rapariga dos olhos de eclipse

eu disse...

"de amedrontamento é q que a gaja nao tem nada"
Percebi os teus de alcova.
LOL

Anónimo disse...

...só não gostei das licks nas gengivas e dentes, perdi a pica na leitura, quer dizer, li do lado de fora... mas isto aqui é uma cena pessoal, nada a ver com a qualidade do texto, que aliás tá excelente. é uma cena mesmo minha, licks em certas partes dão-me um nojo do caraças...

Jucifer disse...

eh eh eh eh
que bunito!!!

Anónimo disse...

Caros colegas de post, alguém me pode dizer a origem da palavra minête? de onde é que esta palavra surgiu? gracias!

rafael disse...

minete?
o que quer dizer??
rima com caralhete...


olha não sei como se escreve.

tenho que ir ver ao dicionário aurélio. lá tem os caralhos dessas palavras todas que tanto gostamos.

Anónimo disse...

caro colega de post,
obrigado. aguardo resposta.

aurélio? não conheço esse dicionário. um gaijo está sempre a aprender.

Anónimo disse...

caro colega de post,
acho que minête é o oposto de broche.
broche= femea no... do macho
minête= macho na... da femea.

Anónimo disse...

Caro colega de post,
só me resta saber a origem da palavra. porquê minête?

outro anonymous disse...

sim, também quero saber. minête???

Anónimo disse...

nunca tive as mamas firmes porque fiquei uma BUCHA ESTICA na puberdade e depois emagreci... CARALHO!!!!
Nunca tinha dito isto. Foi bom!!!

Anónimo disse...

que caralho, o meu comentário acima era para o texto das mamas de boa consistência!!!!!!!