12.5.09

anjo nítrico








o esqueleto das asas
nuvem com agulha de anestesia
aves metalúrgicas em estilhaços
uma criança morta pela mãe

arquitectura de cornijas criminosas
ecos de um cão fantasma
eu a voar por entre os telhados
esgares em voos venenosos
os ossos das asas esticados

capitel coríntio com caveiras
o inferno são os outros
um jardim erótico de canibalismo
frenesim inquieto e aracnóide
a personificação etrusca da morte
o fervilhar bactérias da cidade

um reptilíneo combate
torres de vigilância, o sol,
algures muito depois, o jardim
máscara da primeira guerra
um biblioteca cheia de raiva
e o paraíso ao virar da esquina

5 comentários:

Anónimo disse...

PARABENS.

Dinis Lapa disse...

Um novo tipo de interseccionismo, com algo de lúdico também:

"o esqueleto das asas
aves metalúrgicas em estilhaços
arquitectura de cornijas criminosas
eu a voar por entre os telhados
os ossos das asas esticados
capitel coríntio com caveiras
um jardim erótico de canibalismo
a personificação etrusca da morte

um reptilíneo combate
algures muito depois, o jardim
um biblioteca cheia de raiva"

O anjo amargo, ácido, nítrico, ainda o conheço mal, exige mais visitas, leituras mais atentas. Bom, mais uma vez.

Van disse...

muito bom

Anónimo disse...

fabuloso! ;)

Beijinhos, miúdo giro

conchinha

Anónimo disse...

como sempre, muito bom