27.8.08

o esqueleto de zeus


campos de cereais são metálicos
o ofício obsoleto mas arcaico da poesia
acidente rodoviário
a caixa das costelas carbonizada

holofotes de luz suspensos no medo
ratos a resolverem labirintos
machado com gume de lua

caleidoscópio de bactérias
organismos vivos, organismos mortos
espectros, muros, visões
borbulhas de electricidade

natureza morta com deus menor
sol de hidrogénio, lua de pedra
máscaras, tótens, subterrâneos
suspensão de cabeça do avesso

arqueologia do primeiro eu
dissecar um fantasma~
as raízes do cérebro
aleatório deambular
ventoinhas a girar no cimento
o infinito é uma lemniscata

2 comentários:

Anónimo disse...

Muito bom. Eu gosto.

Beijinhos "lemniscatídeos" para ti.

conchinha

Dinis Lapa disse...

Entrei nesse universo da carne podre e da lua de ratazana.

Quero editar e publicar um livro de poemas teus. Espero que isso fique a salvo.

abraços