6.8.06

jau/leonor

(jau/leonor)
- porque é que não tentamos outra vez?
- porque não ia dar certo.
- como é que sabes que não ia dar certo?
- já falámos nisto um milhão de vezes jau. não vai dar certo.
- se não tentarmos é que não podemos saber se vai dar certo ou não. porquê? porque é que és tão negativa? podias fazer um esforço por acreditar.
- as coisas não são assim como tu queres, as coisas não são carregar num botão e está feito. sabes perfeitamente que não vai ser possível tentarmos. já tentámos muitas vezes.
- podias acreditar...
- não não posso, não se pode investir numa coisa que não acredito à partida. para que é que vou apostar num cavalo que morreu?, não faz sentido nenhum, pois não, jau?
- não faz sentido porque não queres que faça sentido, porque te recusas a acreditar, podias fazer um esforço para acreditar.
- mas eu não acredito. contra isso não posso inventar sentimentos ou posso?
- mas é por não quereres. sabes perfeitamente que querer é poder,
- ah, não me venhas com clichés, mas porque raio é que queres fazer tudo mais difícil. sabes perfeitamente que eu não consigo tar mais contigo.
- mas isso é porque existe essa pessoa que tu insistes em dizer que gostas.
- não ponhas as coisas nesses termos
- então ponho como.
- estou cansada jau. gostava que ficássemos amigos, não te tenho nada contra ti. só quero viver a minha vida.
- amigos?!
- mas porque é que tens de fazer tudo mais difícil? porque é que contigo é sempre tudo assim? porque é que não me deixas ir em paz à minha vida? já conversámos sobre isto. não me podes obrigar a gostar de ti.
- podia dar certo outra vez, sabes perfeitamente.
- ah, lá tás tu com os teus "perfeitamente" tão irritantes. tenho mesmo que te responder que sabes per-fei-ta-men-te que não dá, acabou!, morreu!, parte para outra, get a life!, pára de me massacrares!
- deves pensar que as pessoas são todas como tu!, para ti é fácil, trocas-me como se fosses à loja trocar de roupa!
- ah, não comeces com golpes sujos a ver se eu tenho pena de ti. olha, não tenho peninha nenhuma de ti ouviste?, tivesses pensado em me tratar bem este tempo.
- ah eu não te tratava bem? eras quê?, uma mulher da violência doméstica não?
- não sejas parvo, não mudes de assunto,
- eu é que ´tou a mudar de assunto?
- opá eu mais uma vez vim falar contigo para ver se podíamos acabar numa boa. podíamos ficar amigos e tu não deixas.
- olha é fácil isso do "ficar amigos"? achas que para mim é fácil? acabas comigo e achas que podemos "ficar amigos"??? se quisesses podias acreditar. sabes lindamente que podias acreditar, é uma questão de querer.
- pronto, voltamos ao mesmo...
- porque é que tens essa atitude? aí a encolheres os ombros com desprezo para mim?
- bem, esta discussão não vai levar a lado nenhum. vou-me embora.
- não. não vás.
- larga-me o braço jau.
- dá-me uma oportunidade.
- larga-me o braço se fazes favor.
- fomos tão felizes, porque é que me estás a fazer isto?
- estás-me a magoar jau, se fazes o favor largas-me.
- porque é que não tentamos outra vez?
- DEIXA-ME!!- grita leonor com um sacão do braço libertando-se da ventosa jaussiana. leonor vira-lhe as costas e vai-se embora. jau que fingia ainda acreditar que seria possível a leonor reconquistada. deixa cair o rosto ao chão em desespero. mostra no desalento o seu verdadeiro estado de espírito em relação à miúda: um semblante devastado, a derrota. mais uma vez a derrota com as mulheres.
- granda melão- diria um cueca-napoleão se o visse agora. ainda bem que jau estava sozinho (na rua, em casa, no cinema, na esplanada, ou noutros sítios) senão ia ficar muita chateadão de lhe verem perder de sua amada a mão.

5 comentários:

Sister San disse...

like it! Mas oqueraio é uma cueca-napoleão?!?

schwarzervogel disse...

eu conheço a cueca-josefina... mas essa da cueca-napoleão desconhecia.

menino joão rafael, faça o favor de explicar o que trata esse assunto :p

Anónimo disse...

ZARALHO

Lia disse...

os diálogos estão excelentes :)

beijinhos:)

Lia

Anónimo disse...

cueca napoleão é uma cueca às bolinhas cor de rosa.

a cueca josefina é uma cueca descartável, bien sur!